2 de mai de 2011

VEREADOR CHIQUIM DA DIFERRO SE ENGANOU: Marabá tem lixo nas ruas também

Em sessão ordinária da Câmara Municipal, o vereador Francisco Rodrigues da Costa, o Chiquinho da Diferro (PMN), com o intuito de beliscar a administração lá deles, disse ter sentiu inveja quando visitou a cidade de Marabá, no estado do Pará: “Uma cidade limpa e organizada. Não vi nenhum plástico pelas ruas”.

Dá para acreditar?...

Leia reportagem do Correio do Tocantins do dia 30/04/11 (sábado)

Moradores da Folha 28, Núcleo Nova Marabá, revoltados com o acúmulo de lixo nas ruas há mais duas semanas, tomaram, na manhã de ontem, sexta-feira (29), uma medida radical: fecharam uma das principais vias, a Quadra 26, que dá acesso à feira, com galhos de árvores e sacos de lixo que estavam amontoados nas portas das casas e estabelecimentos comerciais.

A dona de casa Roseli Nunes de Oliveira, 37 anos, disse que não estava mais suportando o mau cheiro do lixo. “A gente não consegue almoçar direito com o fedor que está. Cadê o nosso prefeito? Onde é que ele está nessas horas?”, indagou a mulher, completando que no local "moram seres humanos e não bichos".

“Ele [prefeito] tem de saber que aqui mora ser humano, quando ele quis conquistar os nossos votos veio aqui conosco. Então, tem que prestar mais atenção. Precisamos de limpeza e não de sujeira”, desabafou.

Quem também estava revoltada com a situação era estudante Juliana Lopes da Silva, 20 anos, a qual informou que até o filho pequeno está doente por conta do lixo. “Está com mais de duas semanas que eles não coletam”, disse, completando que a prefeitura deveria investir mais na cidade e não só em pinturas de prédios públicos.

Também revoltado com a situação estava Armando Carvalho, 22 anos, que trabalha num frigorífico. “A situação está precária, porque há mais de duas semanas que esse carro de lixo não passa”, disse, acrescentando que “ninguém é porco, para viver nessa imundície”.

Sílvia Helena de Souza Costa, 38 anos, dona de casa, explicou, por sua vez, que o carro de lixo passou só na rua principal e não nas vias paralelas, onde não tinha asfalto. Por isso, os moradores ficaram revoltados e tomaram a iniciativa de fechar a outra via com os entulhos. “Nós não somos porcos para viver no lixo”.

Conceição Holanda, 37 anos, diretora de uma escola particular, por sua vez, não concordou com a atitude dos moradores de terem jogado o lixo na rua. “Nós já estamos com o problema do lixo há alguns dias, há mais de semana que não passa a coleta de lixo, mas não precisava fazer o que fizeram”, opinou.

Um comentário:

  1. so felipe estudo no joseneide tavares la tem uma sala de imformatica nos alunos nao podemos usar mas funcionarios e filhos de funcionarios podem a qualquer momento.e nos temos que nos umilhar ate pra jogar pigi pongue

    ResponderExcluir

Sinceramente, o Brasil atual tem jeito?

Que olha a cena político-social-econômica atual se pergunta sinceramente:o Brasil tem jeito? Um bando de ladrões, travestidos de senadore...