29 de set de 2010

DEU NO IMPARCIAL: Roseana se irrita no debate "vou chamar José Sarney para debater com vocês”.



No debate realizado na TV Mirante, a atual governadora foi duramente atacada pelos adversários. Jackson e Dino também não escaparam da mira dos “pequenos”.

“No próximo debate, vou chamar José Sarney para debater com vocês”. A frase da candidata Roseana Sarney (PMDB) serve para demonstrar o tom do debate entre os candidatos ao governo do Maranhão, realizado na noite desta terça-feira (28) na TV Mirante. Os outros candidatos fizeram duras criticas ao sarneísmo. Mas os candidatos menores, Saulo Arcangeli (PSol) e Marcos Silva (PSTU), também alfinetaram Flávio Dino (PCdoB) e Jackson Lago (PDT). O candidato Josivaldo Corrêa não participou do debate e foi convidado para uma entrevista em um telejornal da emissora.

No primeiro bloco do debate, os candidatos fizeram perguntas entre si com temas determinados por sorteio. O primeiro a perguntar foi Jackson Lago, que teve o tema “Políticas Sociais” sorteado e perguntou à Roseana sobre a paralisação das obras do PAC Rio Anil. A candidata disse que todas as obras inacabadas de Jackson, ele terminou e que o projeto Rio Anil ainda tem três anos para ser terminado.


Roseana x Flávio


Roseana questionou Flávio Dino sobre seus planos para a saúde. O comunista disse que os hospitais e as UPAs do governo dele irão funcionar. “Hospital não é fazer parede e telhado. Não adianta fazer hospitais e não investir na atenção básica. Temos um gasto de metade dos recursos federais no Maranhão. Faremos concurso, pois desde 2002 não temos concurso na área de saúde”, disse Dino. Roseana retrucou: “se você quiser, eu lhe convido para lhe mostrar que tudo funciona. Até o final do ano vamos construir todos os hospitais e UPAs prometidos”.

Quando o tema foi educação, o embate foi entre Flávio e Saulo. Dino falou sobre creches e Saulo preferiu enfocar o analfabetismo. Sobre segurança, Saulo e Marcos Silva se confrontaram atacando o governo Roseana. O candidato do PSTU defendeu a humanização da polícia. Marcos Silva provocou Jackson na pergunta seguinte a respeito do investimento em esporte.

Quando o bloco era com perguntas livres, Flávio Dino perguntou a Roseana o porquê de não ter feito as revoluções que promete hoje em seus outros governos. “Dentro do possível, fizemos tudo, pois o país vivia momentos difíceis em meus dois primeiros mandatos. O Lula ainda não era presidente. O Brasil não crescia tanto”. Flávio: “ainda bem que a senhora reconhece que quem faz as coisas no Maranhão é o presidente Lula”.


Metralhadora Saulo


Saulo atirou para todos os lados. “Não adianta tirar de um grupo oligárquico e colocar nas mãos de outro”, se referindo a Roseana e Jackson, além de fazer pesadas críticas à administração do pedetista na prefeitura de São Luís. O candidato do PSol irritou Flávio Dino quando falou sobre o apoio do prefeito de Caxias Humberto Coutinho e disse que o prefeito este desvia recursos da saúde. Flávio respondeu: “lamento que esteja reproduzindo a crítica da oligarquia. A administração do prefeito foi limpa. Mas quem vai governar sou eu. Faremos um governo com a marca da transparência. Não escondo minhas alianças”.


Irritação de Roseana


O momento de maior estresse da governadora foi quando o candidato Saulo falou do dinheiro que foi pago a empresa Gautama para obra do Italuís II que não saiu do papel. Roseana do sério. “Primeiro queria que você me respeitasse. Essa obra se foi ganha por alguém eu não sei. Sou uma pessoa séria. Saí do governo e a obra já havia começado”.

Irritada com os vários ataques, Roseana disparou: “no próximo debate, vou chamar José Sarney para debater com vocês. Eu quero é discutir o futuro e não o passado”.

Marcos Silva, em outro momento do debate, rebateu: “se o Sarney viesse, seria até bom pra dizer como o Maranhão cada vez mais pobre. O debate é um espaço de discussão e exposição de ideias. Se o Lula vier, estamos dispostos a debater com ele”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SUPERAÇÃO: Estudante com dislexia e paralisia cerebral se forma em história

Nem mesmo o diagnóstico de paralisia cerebral, a baixa visão e a limitação motora impediram que o jovem Luiz Garcia, 30 anos, realizasse o ...